Fonoaudiologia
Dra. Milene Maria Bertolini

Av. Barão de Itapura, 1.518 - Sala 802 - Guanabara - Campinas - SP
Tel:(19) 3722-7656; 4141-0535; 8204-2622

Você sabia que o ronco pode ser uma doença?

O ronco é um problema de saúde comum, e que tem impacto sobre todos os membros de uma família e sobre a sociedade.

O ronco afeta 40 a 60% dos adultos. Em uma população entre 30 a 35 anos, 20% dos homens e 5% das mulheres roncam; com o decorrer dos anos essa incidência aumenta: aos 60 anos, 60% dos homens e 40% das mulheres roncam. Os “gordinhos” roncam mais.

O ronco se origina na garganta, causado por um colapso (fechamento) da região ao deitar. Esse colapso pode ser ocasionado por: Roncando

  • tônus muscular incompetente (relaxamento da musculatura da garganta) com queda da língua para trás fazendo vibrar a musculatura vizinha;

  • aumento de estruturas como adenóides, amígdalas e úvula;

  • acúmulo de gordura na submucosa da garganta;

  • patologias que levam a obstrução nasal, como do septo nasal, pólipos nasais, tumores e rinites.

O ronco é o sinal mais freqüente de um tipo de distúrbio mais grave, a Síndrome da Apnéia Obstrutiva do Sono (SAOS).

Nesses casos, o ronco é interrompido por alguns segundos de silêncio, na qual o indivíduo fica sem respirar (apnéia: a=sem ; pnéia=respiração) devido a obstrução completa das vias respiratórias pelo colapso dos tecidos da garganta, céu da boca e dorso da língua, por algo em torno dos 10 segundos, acontecendo várias vezes durante a mesma noite.

Durante o sono, quando o tônus desses tecidos diminui, eles se aproximam, bloqueando a passagem do ar. O indivíduo, inconscientemente, se vira, se movimenta muito a procura de uma posição que permita a entrada de ar pela garganta e ao conseguir começa a roncar novamente.

Embora aparentemente simples, os distúrbios do sono podem constituir problema de relevante importância em Saúde Pública, com profundas repercussões pessoais, sociais, profissionais e conjugais se não tratados adequadamente.

A incidência de Apnéia do Sono aumenta a partir dos 40 anos. Essas pessoas apresentam uma acentuada queda em sua qualidade de vida, por apresentarem deficiências importantes de atenção, motivação e memória, levando em alguns casos à depressão.

Como sinais e sintomas mais freqüentes ocorrem cefaléias (dor de cabeça) matinais, irritabilidade, impotência sexual e refluxo gastroesofágico. A sonolência diurna excessiva além de causar baixo desempenho profissional aumenta o risco de acidentes automobilísticos, cuja incidência é sete vezes maior em pacientes com a síndrome do que na população geral.

O paciente apnéico tem em torno de 3 vezes mais chance de sofrer de hipertensão, arritmias cardíacas e enfarto. Dentre os sintomas o que mais preocupa é a dessaturação de oxigênio. Em alguns casos mais graves essa dessaturação, que geralmente deve ficar acima de 90%, pode chegar a níveis em torno de 70%, o que obriga o músculo cardíaco a trabalhar em sobrecarga, aumentando a incidência de doenças cardíacas, que podem levar a morte do paciente.

A obesidade, um queixo (mandíbula) menor ou a arcada superior menos desenvolvida geralmente determinam ou agravam o caso.

A Apnéia do Sono pode ser dividida em três tipos: central, mista ou obstrutiva, esta última a mais freqüente.

Em crianças a hiperatividade é um sinal comum de obstrução respiratória (aumento de volume de amígdalas, de adenóides, rinite alérgica - espirros, secreção nasal aquosa, coceira no nariz). Estas crianças apresentam roncopatia e apnéia do sono com conseqüente déficit de aprendizagem escolar, além de alterações de fala, muitas vezes associadas a comprometimento na relação entre as arcadas dentárias e no crescimento da face.

O diagnóstico e o tratamento da SAOS envolvem tarefa multidisciplinar, com necessidade de análise de cada caso individualmente. O tratamento dependerá de um bom diagnóstico caracterizando-se a severidade das apnéias, detectando-se o local de obstrução e sua causa.

O diagnóstico da SAOS é baseado em polissonografia, realizada por médico especialista em sono. Esse exame consiste na monitoração do sono durante uma noite inteira e é realizado em Laboratório de Distúrbios do Sono.

O tratamento pode ser medicamentoso, cirúrgico, comportamental, fonoaudiológico e odontológico. Este dependerá de um bom diagnóstico.

Sendo a flacidez da musculatura dilatadora da faringe uma das causas do ronco e da apnéia do sono justifica-se a atuação fonoaudiológica nos casos indicados. A experiência clínica demonstra que o aumento do tônus desta musculatura conduz a diminuição ou eliminação dos roncos e da apnéia do sono.

A intervenção precoce em crianças respiradoras orais redireciona o crescimento e desenvolvimento da face e dentes e propicia desenvolvimento cognitivo normal (memória, aprendizagem).

A experiência do trabalho interdisciplinar especializado para pacientes com Apnéia e Ronco tem demonstrado resultado satisfatório, ou seja, possibilidade deste indivíduo ter um sono tranqüilo, sem roncar e uma vida com qualidade dentro do conceito amplo de Saúde.

Dra. Milene Maria Bertolini